segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Paixão, desilusão, felicidade, sexo e outras “moléstias” dos sentimentos humanos

Bom seria se a vida fosse como nos filmes com direito a trilha sonora e tudo. Já prestou atenção que casal de filme sempre tá bem resolvido? Pode até ter uns desentendimentos no inicio, mas sempre terminam felizes para sempre!!! Tá eu também gosto de filme happy and, afinal somos tomados diariamente por golpes infindáveis de dolorosa realidade, que os filmes cumpram, pelo menos pra alguns, o papel de fuga da realidade.
Na verdade isso aqui não se trata de filmes, mas de como lutamos pra que a vida possa ter um pouco do “açúcar” que tem nos filmes de romance, de como desejamos ardentemente perpetuar aquele inicio de romance, onde um tenta encantar o outro com fofurices, telefonemas, convites pra jantar, ou então quando as coisas engrenam que vem aquela vontade louca de ficar sempre junto. As fugas pra almoçar e se ver nem que seja por uma hora, ficar grudado durante o final de semana, o mundo inteiro tomando a dimensão de um quarto e duas pessoas. A paixão ardendo e consumindo os dois numa fúria incessante. Aqui não importa o que digam, é só você, ele e a felicidade preenchendo todos os espaços.
Ah e o sexo?! SEMPRE, de qualquer jeito, a qualquer hora a toda hora. Uma ânsia de possuir, como se um fosse devorar o outro. É um fogo, como se uma floresta inteira estivesse em chamas. Se o inicio dos romances tivesse uma cor, certamente seria fúcsia, intenso, vibrante, “colorido”! E qual a diferença de tudo isso para os filmes românticos? NENHUMA, pois normalmente esse é o final dos filmes. Você jamais vai ver num filme romântico, o mocinho dizendo pra mocinha que ele se enganou quando disse durante o almoço que estava apaixonado, e que agora, durante o jantar que a mocinha havia preparado com tanto carinho e esmero, que ele queria terminar a relação, pois não estava preparado pra um relacionamento sério.
Você jamais vai ver num filme romântico as noites intermináveis de choro e insônia da mocinha depois de uma desilusão. Também não vai ver a mocinha a beira da inanição por não comer nada, nem vê-la alugando por horas os amigos contando, recontando e se perguntado porque do rompimento. Os filmes também não mostram o processo doloroso de recuperação, as saídas para festas, os porres, as bocas beijadas, porem não desejadas, até o desgaste emocional chegar ao limite. É nesse momento que e a tensão se estabiliza, a dor diminui, restando a saudade e por fim a calmaria.
Isso os filmes não vão mostrar, porque essa é a parte chata da nossa realidade, todo mundo acaba passando por isso. Temos plena consciência que tudo que começa tem um final, mas assim como os filmes que não mostram o dia a dia, nós também temos a necessidade de acreditar que tudo vai ser bom, bonito e feliz sempre. Ora, somos humanos que culpa temos se somos falhos e incapazes de corresponder a altura as expectativas dos outros? Cabe-nos apenas sonhar com a felicidade eterna, ou eternizar os momentos felizes.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Nota de pesar


Sei que o tempo passa, a gente se transforma, as coisas mudam e tudo encontra o momento certo pra acontecer, mas questiono-me, existe um MOMENTO CERTO?? O CERTO seria o IDEALIZADO ou o criado pelas CIRCUNSTÂNCIAS?? O mais simplista poderia dizer: Idealizamos, criamos as circunstâncias e pronto, o momento certo surge.
Entretanto, os simplistas esquecem que não é possível lidar com atitudes e sentimentos humanos de maneira sistemática, pois somos imprevisíveis, dotados de sentimentos, ora nobres, ora mesquinhos. Conjecturar é o que nos resta. Falhamos quase sempre.
As impressões são errôneas, a idealização engessa e o momento certo, nada mais é do que a vontade de torná-lo possível. Somos tolos, porque confiamos, somos tolos por não confiar, somos tolos porque insistimos em criar ilusões, somos tolos em vivê-las. Simplesmente tolos. E o momento certo esvanece...e o que sobra são algumas músicas e um coração partido.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2009

Selo MANIFESTO JOVENS Q PENSAM

Tá bom, tá bom, eu confesso. Tô emocionada !!!
Ganhei esse Selo GRACINHA (o primeiro da minha vida "blogotiana" rs!) do blog http://meninacrescida.blogspot.com/ da minha queridíssima Ana. Esse selo mostra que apesar de jovens nos temos coisas importantes a dizer e acima de tudo NÓS PENSAMOS.
Como a idéia do selo é contemplar outras cabecinhas jovens pensantes, em breve estarei divulgando a lista de 10 outros blogs(depois q linká-los ao meu.. rs!) para receberem e perpetuar a idéia do selo.

As regrinhas para quem receber o selo são as seguintes:

1º- Exiba a imagem do Manifesto e explique do que se trata.
2º- Poste o link do blog que te indicou.
3º- Indique 10 blogs de sua preferência para fazer parte dos 'Jovens que Pensam'.
4º- Avise seus indicados.
5º- Publique as regras.
6º- Confira se os blogs indicados repassaram a imagem e as regras!

Fácil né?? agora é só curtir o selo e passá-lo a outros.
E por fim, agradesço mais uma vez a Aninha por ter se lembrado dessa hulmide cabecinha aqui.

BRIGADÃO ANA!

Passado, Presente e Futuro

Há tempos não posto nada aqui. Esse é pra ser um texto de retrospectivas e perspectivas, afinal muito água rolou por baixo da ponte desde o último post e isso sem considerar a reforma ortográfica, portanto meus queridos leitores desconsiderem qualquer possível erro, afinal ainda não me acostumei com as novas regras.
Como o título sugere, a questão aqui é o tempo e como ele age em nossas vidas, entretanto o tempo sozinho não faz nada, são nossas ações o fator determinante para o desenvolvimento de tudo que desejamos. Por muito tempo fiquei parada, achando que o destino se encarregaria de tudo, e que no fim eu poderia desfrutar as benesses conseguidas sem muito esforço. Ledo engano. Nada vem de graça e o que vem fácil vai fácil. Ok, isso é clichê, mas é fato.
Nesses últimos meses, quando decidi descruzar os braços, mergulhar em mim mesma e me (re)descobrir, pude perceber que essa tomada de consciência do que se é do que se pretende ser, não é fácil, é como um parto, uma profunda dor dilacerante, mas que no final de tudo, trás a promessa de uma nova vida de um novo começo e a perspectiva de um futuro melhor.
Viver uma nova vida não é fácil, é um caminho tortuoso, complicado, cheio de privações e renúncias, mas ainda assim prefiro arcar com o peso dessa escolha e a partir dela conquistar o objetivo final a viver um eterno passado de negação daquilo que eu gostaria de ser.
Não nego o passado, ele me serviu pra mostrar que tipo de vida NÃO LEVAR, o presente me prepara para o que devo ser daqui pra frente e o futuro será da forma que eu determinar, porque agora sou dona de mim e de minhas atitudes e só me permitirei ser aquilo que desejo.

terça-feira, 4 de novembro de 2008

A Crise


Praticamente um mês após a ultima postagem, eis-me aqui, ainda as voltas com minha crise de idéias. E por falar em crise, ultimamente todos os olhos e ouvidos estão voltados para um único assunto. Não, não é a escolha dos novos participantes do BBB9, é para a mais nova vedete da mídia do momento: A CRISE ECONÔMICA MUNDIAL.


Instantaneamente, todos passaram a falar o “economez”, na padaria, na parada de ônibus, no trabalho, na academia, na portaria do prédio, onde quer que se vá, só se fala na bancarrota da economia mundial, que já foi apelidada carinhosamente de “CRISE”.


-Maria, ocê viu que a bolsa de valores de Nova York, Londres, Hong Kong, Japão e Coréia do Sul tiveram seus menores índices dos últimos 20 anos, interferindo nas aplicações dos fundos de investimentos, aumentando a taxa de juros, fazendo os recursos e investimentos evadirem?


-Vi sim Zefa, tudo isso associado à taxa SELIC, o índice Dow Jones , a queda da produção dos tigres asiático e o aumento do valor do barril de petróleo, criaram uma terrível recessão.


É crise pra lá, é crise pra cá, e todo mundo apavorado. Já tem gente até estocando comida e água em casa, alguns já tiraram todo o dinheiro do banco e passaram a guardar no colchão. A coisa ta cada vez mais feia...E enquanto o rico fica pobre e pobre tenta entender pq foi demitido, eu fico aqui, rachando a cuca pra lembrar de algo interessante e engraçado pra escrever.

quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Insista!


Tentando vencer a aridez das minhas idéias, eis me aqui, não que tenha algo bacana e interessante a dizer, muito pelo contrário, minha criatividade anda tão em baixa quanto os votos obtidos pelo vereador NÃO reeleito, MÁRCIO BATISTA. Entretanto, minha insistência em tentar discernir sobre algo que valha a pena só não se compara a insistência do recentemente eleito vereador CABIDE, isso sim é exemplo de insistência, foram 17 anos tentando, é isso mesmo que você leu, 17 ANOS.

Agora pensem comigo, o que vocês estavam fazendo há 17 anos atrás? Eu certamente tava vendo a XUXA na TV, ouvindo New Kids on the Block e pensando em alguma forma de fugir de casa e me livrar da minha irmã mais nova, coisa que eu ainda não consegui fazer.

Já dizia Renato Russo “quem acredita sempre alcança” e para provar, temos a história como álibi, com ilustres personagens marcados acima de tudo, pela sua INSISTÊNCIA, que o diga nosso atual presidente Lula que após disputar 5 eleições, finalmente venceu em 2002, e já se vão 6 anos de mandato que por ele se estenderiam para 12, mas não houve mensalão que conseguisse aprovar.Ora, pq não um LULA CHAVES??? Cruzes, mangalô pé de pato, três vezes, deixa pelo menos começar a exploração do maior campo de petróleo do país, depois a gente pensa em NEOSOCIALISMO A LÁ HUGO CHAVES.

Bom, mas a insistência não é só um mérito dos políticos, os insistentes estão espalhados por aí, em todas as áreas, em todos os lugares, nos arbustos, nas árvores, do seu lado ou atrás de você, é insistente pra tudo que é lado, prontinho pra dar o bote.

E a lista de insistentes vai de operador de telemarketing, querendo te empurrar a todo custo um aparelho ultra mega revolucionário com ótimas condições de pagamento até pseudo artistas que insistem em se acharem os monstros sagrados da dramaturgia nacional. Alguém lembra do ator (?) Ricardo Macchi? Não, né?, Eu mesma tive q forçar a memória pra lembrar, ele é o tal do cigano que era apaixonado pela DARA na novela explode coração, responsável pela imortalização da frase: DA-RA E – U TE A-MO DARA, era algo grotesco, parecia um robô, todas as expressões faciais dele eram as mesmas, não importava se tava triste, alegre, com raiva ou com dor de barriga, era sempre a mesma cara de cocô de alienígena. Mas ele ta por aí, insistindo em ser ator, e parece-me que está no elenco da novela dos Mutantes na RECORD, deve ser o mutante ROBÔ-COP..rs.

E pra terminar concluo, que SEGREDO que nada...a alma do negócio é mesmo a INSISTÊNCIA, portanto sejamos insistentes, se o CABIDE, O LULA E O RICARDO MACCHI conseguiram porque nós não???

domingo, 28 de setembro de 2008

Eu sou uma EXTRATERRESTRE

Normalmente, num dia feito este, estaria fazendo “NADA”, com a mente vazia, o olhar perdido, folheando um livro qualquer ou vendo as porcarias costumeiras na TV. Mas hoje não, particularmente hoje fui tomada por um sentimento que a muito havia tentado exorcizar da minha vida e que por um longo tempo pensei ter conseguido...Ledo engano! Ele está aqui, mais presente que nunca.

O sentimento de não pertencer a nada, a lugar nenhum, a sensação de verdadeira estranheza a tudo que me é familiar, como se aqui NÃO FOSSE onde deveria ESTAR. Um vazio imenso incapaz de ser preenchido pelo que que conheço. Uma falta de não sei o quê e não sei onde, uma vontade incontrolável de não ser EU, de não SER NADA, de não ESTAR AQUI.

Dolorosa EXISTÊNCIA, fundamentada no vazio, na ilusão, no buraco profundo da angustia e do pesar... Como fugir? Não existe fuga, não menos dolorosa que a própria existência. Talvez a explicação seja simples, sou apenas uma EXTRATERRESTRE!